Após confessar crime, mulher que matou músico é liberada por um salário mínimo em Três Lagoas

Ela e a amiga, que escondeu a arma e também pagou a mesma quantia, foram autuadas pelo crime de porte ilegal de arma de fogo

Eli Resende foi assassinado com um tiro na cabeça / Redes Sociais/Divulgação/PCMS

Eli Resende foi assassinado com um tiro na cabeça / Redes Sociais/Divulgação/PCMS

Maria das Graças Barbosa Melo, de 46 anos, e Niza Vicente Leite, de 55 anos, autuadas em flagrante pelo crime de porte ilegal de arma de fogo em Tr√™s Lagoas, foram liberadas mediante pagamento de fiança de um sal√°rio mínimo, ou seja, R$ 1.412,00. A primeira confessou que matou o músico Eli √Ālvaro da Silva Resende, de 41 anos, na madrugada de domingo (19).

A primeira mulher é ex-mulher do músico e confessou que atirou contra a cabeça do homem. Durante seu depoimento, conforme consta no documento prisão em flagrante, ela afirmou que pediu para Niza esconder a arma na resid√™ncia para "dificultar a ação policial nas investigações referentes ao crime".

A amiga da suspeita também confessou que atendeu o pedido de Maria "de maneira livre e consciente", ocultando o revólver de calibre 38 numa bolsa de croch√™, onde havia também 17 munições intactas.

Ainda para a polícia, a acusada de matar Eli explicou que a arma estava em sua propriedade h√° anos e que não vendeu, emprestou ou transferiu para sua amiga. Em seu depoimento, ela não revelou por qual motivo assassinou Eli, apenas confessou que utilizou a arma que tinha guardada em casa para atirar contra o ex-marido.

Maria ainda pode ser processada por homicídio qualificado pelo motivo torpe, com pena m√°xima prevista de até 30 anos de reclusão. Enquanto o inquérito da Polícia Civil é finalizado para ser encaminhado para o Poder Judici√°rio, a mulher continuar√° respondendo os atos em liberdade.

Crime passional

Maria das Graças era a principal suspeita de ter executado o músico com um tiro na cabeça.

Segundo a Polícia Civil, ela compareceu à delegacia e, inicialmente, negou ser a respons√°vel pelo tiro fatal que matou "Teko", apelido de Eli √Ālvaro. No entanto, ao ser confrontada com depoimentos de testemunhas e provas coletadas, admitiu ter cometido o crime depois de uma discussão entre eles.

Testemunhas contaram que a ex-mulher do músico teria deixado o local do crime em uma moto, momentos após ser ouvido um disparo. Uma briga também teria sido escutada antes do tiro.